Feijão de Corda

Produtora com foco em cultura, criatividade e educação. Quer saber mais? Venha #DarCorda com a gente!

Porque live mkt é muito mais do que ‘compre e ganhe’

Postado por em mai 4, 2016 em Cursos, Entrevistas | Sem comentários
Ive

Ive se promovendo legal

Desde que Ive Caceres, publicitária e sócia da Feijão de Corda, me disse que daria esse curso de Live Marketing, fiquei com uma pulga atrás da orelha (e acho que não só eu!): o que é live marketing? E como vai ser esse curso? Ela é gata velha e já deu outros cursos sobre o assunto. O último foi em 2014, chamado Live Mkt – A publicidade não convencional. De novo esse termo… Para acabar com essas minhas dúvidas e deixar mais claro do que se trata, tive um bate-papo com ela e transcrevi aqui embaixo. Spoiler: não é nenhum bicho de sete cabeças! E dá vontade de colocar a mão na massa.

Finalmente, o que é esse live marketing?

Basicamente, é marketing promocional, mas é que toda hora muda de nome. O promocional é quando você elabora estratégias para estimular a compra de um determinado produto, promover um serviço ou, até mesmo, a fidelização de uma marca. Mas, o que as pessoas não entendem é que o marketing promocional vai muito além do que se pensa, de uma promoção, de um brinde. Não é só fazer panfletagem, fazer casting (pra quem sabe, é seleção de promotores), promoção em ponto de venda… Este termo novo surgiu, inclusive, da vontade de desmistificar o que é esse tipo de comunicação e como ela agrega para as marcas.

Como assim?

Um exemplo bacana, e que fugiu completamente dos formatos padrões, foi a ação “Pedágio Pepsi no São João de 2011″. A Pepsi estava no auge do seu conceito ‘Pode Ser?’ e a gente precisava pensar em uma estratégia que tivesse foco no novo posicionamento da marca e ficar na mente daqueles que estavam viajando para o interior baiano, porque haveria pontos de venda nesses locais. O objetivo foi pensar: quando eu chegar no mercadinho do seu Zé, o que vai me fazer escolher Pepsi no lugar da Coca-Cola? A forma que a gente encontrou para passar essa mensagem ao público-alvo foi liberando o valor do pedágio nas estradas, então a ideia ainda estava ‘fresca’ quando eles chegaram ao destino final. As pessoas se surpreenderam de forma positiva, a marca começou uma história ali com aquelas pessoas e, de quebra, ainda reforçamos o conceito do refrigerante. E é isso que acontece quando você pensa de forma global.

O mercado baiano exige esse tipo de abordagem profissional?

Exige, sim. E existe a necessidade de encontrar profissional que tenha treinamento pra isso, e por isso o curso. Na minha opinião, o promocional está sendo formado de um jeito muito igual, porque as pessoas pensam com as mesmas regras de setores específicos da publicidade. Hoje, por exemplo, temos um número enorme de agências promocionais – o Nordeste é a segunda região do país com maior número de empresas que atuam em Live Mkt, ficando atrás do Sudeste – e um número mínimo de planejadores, quando, na verdade, as duas coisas devem caminhar juntas.

O mercado está sempre em mudança e exigindo, cada vez mais, uma postura diferente do profissional de comunicação. Faço parte do time que acredita que deva sair do profissional a ideia de um planejamento promo junto com o publicitário e o digital. Claro que num job a gente tem que ver a verba do cliente, os objetivos, o que dá pra fazer, o que não dá, etc. Mas, muitas vezes o que acontece é que uma promoção, por si só, não se sustenta. Precisa de divulgação de redes, uma logística para fazer com que a promoção chegue ao público-alvo… Não basta ir apenas no ponto de venda. Por isso quando me dizem que promocional é compre e ganhe, eu bato pé e retruco: é muito mais do que isso. As grandes campanhas, por exemplo, exigem que você compre o produto, mas que também entre no site, se cadastre, talvez compartilhe um post ou uma hashtag nas redes sociais… Tem que ter engajamento também.

mkt

O que tem de diferente nesse curso em relação aos que você ministrou antes?

As referências que eu pretendo trazer e os exercícios propostos são diferentes. A primeira turma foi mais iniciante, mas mesmo lá eu percebi que as pessoas já tinham expectativa de colocar a mão na massa. Agora eu quero fazer um curso mais prático, quero que os alunos saiam com um planejamento na mão. Não é uma coisa estática, tipo eu falar e todo mundo tomar nota.

Quando estou numa agência ou fazendo trabalhos com parceiros e clientes vejo que muitas pessoas não sabem pensar promocionalmente. A gente tem dificuldade de achar esse tipo de profissional em Salvador, principalmente, porque não existe muito curso de planejamento. Acho que as empresas até sabem o tipo de trabalho que querem, mas quando chega na hora de fazer não tem quem faça.

O que você espera que o aluno saia do curso sabendo?

Eu quero que as pessoas comecem a pensar numa comunicação 360º. Não quero que pensem de forma separada, como publicidade, canal, promoção como coisas independentes. Quero que pensem fora da caixa, mesmo, englobar as estratégias de marketing. Juntar digital, publicidade e promocional. Quero que as pessoas parem de pensar apenas num núcleo. Existem mais possibilidades de fazer coisas casadas do que com coisas específicas.

Quer saber mais sobre o curso? Na página da Feijão tem sempre mais informações aparecendo e, inclusive, um evento do curso, que você pode acessar aqui. Já sabe que essa é a sua e quer se inscrever? Clica aqui!

Deixe uma resposta

Visit Our BlogVisit Our BlogVisit Our Blog